M U D A N Ç A S! FAÇA AS COISAS ACONTECEREM!

Hoje a palavra mudança virou um apelo permanente e seu significado mais preciso ganhou complexidade e está ligado à ação. Então, o grande chamado diário é: “MOVA-SE!”.

Para início, um dado desolador: não se aprende nem se programa uma mudança em algumas horas. Não se aprende em um curso ou workshop. É um processo que exige tempo, disciplina, cumprimento de etapas e vigília constante.

 Conforme John P. Kotter, professor da Havard Business School, todas as mudanças em grande escala (aquelas que envolvem dezenas, centenas ou milhares de pessoas) só são possíveis com a mudança de comportamento de cada um dos envolvidos.

 A filósofa com especialização em Comunicação e Marketing, Lúcia de Bidart sugere um caminho que funciona para a maioria das pessoas: o gosto pelo aprendizado:

“O instrumento das mudanças é o aprendizado.  Você muda aprendendo coisas novas. Aprende-se a ter gosto pelo ato de aprender, instintivamente você ouve os outros com prazer, gosta de coisas novas e fica insatisfeito quando não aprende coisas novas. Encontrar prazer no aprendizado é um grande salto em direção ao gosto pela mudança”.

 Outros sentimentos que favorecem e sustentam o processo de mudanças são: confiança, otimismo, urgência, orgulho realista, dinamismo, paixão, vibração, esperança e entusiasmo.

Sempre é bom lembrar: não existem fórmulas. Invente o seu próprio caminho tendo bom senso e muita informação transformada em conhecimento. Leia, leia e leia. Esteja sempre atualizado.

 Os próprios especialistas admitem que mentiriam se dissessem que basta seguir os seus conselhos e todos os seus objetivos seriam alcançados de forma fácil e sem sobressaltos.

 O processo de mudança pode ser complicado, demorado e cheio de verdades que você talvez quisesse ignorar, mas também, pode ser o trabalho mais satisfatório, desafiador e inspirador da sua carreira, da sua vida.

 Rubem Bauer afirma: “A mudança deve ser integrada com prazer à vida. O senso de ser cultivado é, mais do que nos adaptarmos, nós devemos buscar co-evoluir com os ambientes que nos cercam. O nosso mudar muda o mundo ao nosso redor, e isso faz com que mudemos e assim, indefinidamente.

Sob “esta perspectiva, a mudança deixa de ser um estorvo e passa a ser vista como um processo natural e inexorável da vida”.

 Não tenha medo de mudar. Não passe a vida sem viver. Comece agora!!!

 

Manuela M. Rodriguez